Moqueca ao Paraiso. Leva frutas como biribiri, pitanga e amora.

Frutas são apostas de chefs para receitas contemporâneas

Dos drinks e sobremesas ao prato principal

Por Brenda Gomes

[Um aviso ao leitor: a matéria a seguir é contra indicada para leitura com estômago vazio, pois seu conteúdo pode instigar a fome].

 

Lagosta e polvo rodeados de frutas grelhadas, moqueca, farofa de banana, cozido,  caipirinha de morango e chocotone com calda de frutas vermelhas. O que essas comidas têm em comum? As frutas. Já utilizadas em músicas (“pêra, uva, maçã, salada mista” e “tum-tum goiaba”), também na literatura (“A comida de Jorge Amado”), que ganharam fama na cabeça da ícone brasileira Carmen Miranda (1909 – 1955) e foram tema de evento em Salvador (Desfrute Gastronômico nos Tempos da Abafabanca, realizado em 02/14), agora são a aposta dos chefs de cozinha para a gastronomia contemporânea.

As frutas, comumente, aparecem nos cardápios em drinks, sobremesas e em alguns caldos- como o popular de frutas vermelhas. O que alguns chefs vêm preparando é uma nova espécie de “salada de frutas”, tendo-as em pratos principais e, acredite, incrementadas à comida salgada.

Se a banana já era uma fruta inusitada nas pizzas, imagine pizza de abacaxi, ameixa, goiaba, figo, pêssego e cereja com mussarela e presunto. Existe e é chamada de Pizza Tropical, uma das especiarias da pizzaria Torre de Pizza que, além das tradicionais, também serve pizza de geleia de amora com peito de peru – Imperialle; geleia de abacaxi com mussarela de búfala – Delicato e geleia de damasco e champignon – Dama.

Pizza Tropical com abacaxi, ameixa, goiaba, figo, pêssego e cereja com mussarela e presunto. Foto: divulgação
Pizza Tropical com abacaxi, ameixa, goiaba, figo, pêssego e cereja com mussarela e presunto. Foto: divulgação/ Torre de Pizza

Sopa com maracujá: além do gosto exótico que a fruta dá à sopa, a casca da fruta deixa o caldo mais encorpado, garante a chef Tereza Paim, que prepara a Sopa de Frutas em um dos seus restaurantes na Praia do Forte. Essa refeição, servida gelada, apesar de ter o maracujá em destaque, tambémleva suco de tangerina e cenoura. Outra fruta bastante usada pela chef é o  licuri, inserido na composição das comidas baianas.

caldo tereza
Foto: reprodução

Falando em comida baiana, o restaurante Paraíso Tropical abriga um pomar de onde saem as frutas utilizadas nas refeições. kiwi, goiaba, caju, jaca, carambola e outras frutas são levadas à grelha e ficam “indiscutivelmente saborosas”, segundo o chef Beto Pimentel. Frutas tropicais e regionais, como o biribiri, são usadas até na moqueca desse restaurante, deixando a comida ainda mais baiana.

 

Moqueca ao Paraiso. Leva frutas como biribiri, pitanga e amora.
Moqueca ao Paraiso. Leva frutas como biribiri, pitanga e amora. Foto: Restaurante Paraiso Tropical

 

Quem prefere uma opção mais doce, pode experimentar o Carré de chocolate branco e chocotone com calda de frutas vermelhas. São três camadas doces e macias do carré e do chocotone que contrastam com a acidez das frutas vermelhas. A sobremesa é assinada pelo chef Eminídio Monte Silva, para o restaurante Sabores de Itapuã do hotel Deville Salvador.

Carré de chocolate branco e calda de frutas vermelhas.
Carré de chocolate branco e calda de frutas vermelhas. Foto: divulgação/Deville

Até a farofa, um curinga para o churrasco, ganhou um toque contemporâneo de frutas. A banana na farofa acompanha coxa e sobrecoxa de frango encapados na brasa com queijo coalho, no Bar do Luiz, no bairro do Costa Azul. Já a farofa de maçã acompanha purê de banana e combinado de pernil de cordeiro desfiado, no restaurante Estrela do Horizonte, no Politeama. Ambos os pratos foram preparados pelos dois restaurantes para o concurso Comida Di Buteco 2014.

Embora essas frutas causem estranheza para alguns, principalmente para os que prezam a comida tradicional, tais inovações têm aprovação de quem aprecia combinações exóticas. É uma questão de gosto.

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*