Mel de abelha indígena vira gourmet entre chefs

Mel de abelha indígena vira gourmet entre chefs

Carré de Paca com mel de uruçu pesto de coentro da índia e banana da terra defumados. Mesa ao Vivo Bahia (2014). Foto: Carol Gherardi.
Carré de Paca com mel de uruçu pesto de coentro da índia e banana da terra defumados. Mesa ao Vivo Bahia (2014). Foto: Carol Gherardi.

Conhecidas como abelhas indígenas sem ferrão ou nativas, o mel produzido por elas consiste em um líquido amarelo claro, translúcido, ácido e levemente adocicado. É um produto que caiu nas graças dos chefs e para a felicidade na nação e dos criadores, a Bahia foi o primeiro Estado a regulamentar a extração, produção e comercialização deste ouro líquido.

Estudioso e novato criador de abelhas nativas, o chef Caco Marinho há algum tempo já utiliza em sua cozinha o mel de abelha indígena. Durante o Mesa ao Vivo Bahia (2014), por exemplo, o chef levou para o evento o mel e preparou um Carré de paca defumado com banana-da-terra e manteiga de coentro bravo.

Recém chegado a cozinha do restaurante Amado, o chef Fabrício Lemos, já mantém em sua prateleira o líquido amarelo claro.  Entre os experimentos, ele preparou uma salada que leva o mel de uruçu, melão do sertão, presunto de parma, queijo de cabra e rúcula.

Salada que leva o mel de uruçu, melão do sertão, presunto de parma, queijo de cabra e rúcula. Foto: Repórter Gourmet.

Entenda mais

O mel que você conhece é derivado de abelhas Apis melliferas  com umidade máxima de 20%. É um líquido denso, encorpado e dulcíssimo proveniente de abelhas européias e africanas, encontrado nos supermercados e comum nas nossas mesas.

Mel de abelha indígena.
Mel de abelha indígena.

Já o mel de abelha indígena tem até 35% de umidade. E com isso é necessário um cuidado quanto a refrigeração. E o que muda a partir da regulamentação? Primeiro: está autorizado o manejo das abelhas do gênero Melipona, destacando as espécies M. scutellaris, M. quadrifasciata anthidioides e M. mandacaia. Segundo: a finalidade é adequar os métodos de colheita, beneficiamento, armazenamento e comercialização de produtos e derivados registrados sob o Serviço de Inspeção Estadual.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*